Trabalhando em prol dos
Aposentados e Pensionistas
do Banco do Brasil
no Estado do Paraná.

Rua Voluntários da Pátria, 475

Edifício ASA - 5º Andar - cj 501

 Centro - Curitiba - PR - 80020-926

Investimentos da PREVI: estamos pedindo explicações


Alguns colegas chamaram nossa atenção para determinados investimentos feitos pela Previ, em valores extremamente altos, de maneira que resolvemos fazer algumas perguntas para a Sr. Diretor de Investimentos da Previ a respeito do assunto. Nossa carta, de 22 de fevereiro/2016 ainda não nos foi respondida. Para que todos tomem conhecimento estamos a seguir dando publicidade do inteiro teor daquela correspondência:

“Curitiba (PR), 22 de fevereiro de 2016

Ilmo. Sr.

MARCUS MOREIRA DE ALMEIDA

DD. Diretor de Investimentos da PREVI

Praia de Botafogo nº 501 – 3º e 4º andares

Rio de Janeiro RJ

Senhor Diretor,

Solicitamos o especial obséquio de nos responder sobre os questionamentos abaixo, tendo em vista que a Previ sempre nos informa da lisura e da honestidade dos seus investimentos.

“O que norteou a diretoria da PREVI a investir numa empresa/ponte como a SETE BRASIL S.A. para a construção de navios sonda, quando na realidade a PETROBRÁS poderia ter realizado contratações diretamente aos estaleiros, diminuindo assim os custos do atravessador”;

A SETE BRASIL S.A. foi criada em 13/05/2010, em São Paulo, e constituída/operacionalizada no Rio de Janeiro em dezembro de 2010, http://www.jundiaionline.com.br/colunistas/sp-formalizada-a-criacao-da-empresa-sete-brasil-13 com capital de R$ 270.000.000,00 que, juntamente com o Estaleiro Atlântico Sul (EAS), assumiu o contrato para a construção de sete sondas de perfuração marítima – as primeiras produzidas no Brasil a serem utilizadas para atendimento no programa de perfuração de longo prazo da PETROBRÁS nos poços no pré-sal. A previsão de entrada em operação das novas sondas seria para 2015. Também foi contratada pela PETROBRÁS, SEM LICITAÇÃO, para o fornecimento de outros 21 navios sonda no valor de US$ 25 bilhões.

Dentro desse enfoque o que levou a Diretoria da PREVI a investir através do Fipsondas, numa empresa com capital de R$ 270.000.000,00 que somando a capitalização de todos os investidores perfez o valor de R$ 8,3 bilhões e empréstimos somaram US$ 4,6 bilhões (menos da metade do valor necessário para se cumprir o valor total a ser dispendido, 10 anos de investimento e 10 anos de desinvestimento) para a construção de sondas?

Qual foi o hiato entre o desembolso dos valores dispendidos pela PREVI e o efetivo crédito de investimento no Fipsondas na conta da SETE BRASIL? Por que ele ocorreu?

Qual foi o parecer do GTI (Grupo Técnico de Investimento) ao analisar/recomendar o investimento à Diretoria da PREVI, uma vez que a contratação de 21 navios sonda por US$ 25 bilhões (US$ 1.190.000.000,00 a unidade) quando no mercado tinha navios sendo construídos por US$ 700.000.000,00 (uma variação de US$ 490.000.000,00 por unidade)?

Quais foram os diretores/representantes da PREVI que ocupam/ocuparam assentos no Conselho de acionistas na SETE BRASIL e quais foram as bonificações recebidas no período?

Quem recebeu os dividendos de 30% em 2012 e 20% em 2013 em nome da PREVI, conforme dados dos balanços, uma vez que a SETE BRASIL nesse período estava na fase de 10 anos de investimento, portanto, ainda não tinha auferido receitas? De onde saíram esses recursos?”.

Limitados ao exposto firmamo-nos,

Atenciosamente.

NEREU JOÃO LAGOS

Presidente.

#previ #setebrasil #petrobras #Fipsondas #afabbpr

(41) 3223.4907